segunda-feira, 12 de novembro de 2007

Violação de conduta

Há quem acredite que sexo seja troca de carinho, respeito, cumplicidade, mas não é só isso. Sexo tem muito haver com agressão e não estou falando de sadomasoquismo. Tapas na bunda ou até na cara, apertos, arranhões, mordidas e puxões de cabelo, se agora você não concordar comigo, resta-me supor que você é virgem. Mas existe muito mais agressão do que isso tudo, puxando mais para o lado sadista eu diria: velas derretidas, chicotadas, sufocamento e estrangulamento, submissão e a que mais me chama atenção: simulação de estupro. Sinceramente o sadomasoquismo não me atrai, e até me causa certa repulsa, mas, uma vez solicitado, a gente tem que corresponder às expectativas (dependendo do que é solicitado). Mulheres gostam da virilidade, ou seja, desse tipo de agressão (Maria da Penha que não me leia), obviamente na hora "H". É fato que a maioria das mulheres gosta de ver o lado frágil do homem, a parte sensível adormecida na hora de uma conversa. Mas não seja tão sensível assim, tenha uma “sensibilidade masculina”, não faça drama por tudo e pareça uma pessoa complicada, muito menos chore lamentações de um coração partido, isso a fará vomitar. Assim como os apertos, arranhões ou puxões de cabelo, a maioria das mulheres adora uma tapa na bunda, mas algumas (poucas) odeiam, portanto, num primeiro encontro é algo a NÃO se arriscar. O fato que agrada não é apenas uma dor prazerosa que ela sente, mas principalmente o barulho que a tapa faz. Para dar uma bela tapa numa bela bunda, a mão deve atingir a maior área possível da nádega da parceira, a fim de evitar todo o choque numa menor área, o que faria menor barulho e causaria mais dor. Abra sua mão o máximo possível, e dê uma palmada na polpa da bunda ou na lateral, são os pontos que fazem mais barulho. Depois de bater, aperte e abra a nádega de sua parceira.
O puxão de cabelo eu já disse anteriormente uma forma bem prática, com a mão espalmada na região occipital da cabeça da garota, por baixo do couro cabeludo, feche os dedos com um pouco de força, não exagere. Mas quando ela estiver de quatro tem uma abordagem mais complicada um pouquinho. Após segurar o cabelo dela com a força ideal, puxe a cabeça dela um pouco para trás, devagar, vá puxando até encostar o cotovelo nas costas dela, ela vai ficar toda “empinadinha”, agora puxe o cabelo dela no intuito de deixá-la com o rosto virado de lado, se incline e olhe no rosto dela a carinha de safada que ela faz.
Aperte a cintura dela, quando ela estiver sobre você ou em pé na sua frente, coloque o dedão naquela região mais protuberante da "bacia" dela e aperte firme, force mais com o dedão do que com os dedos que estão na cintura dela.
Lógico que todos os itens irão variar de acordo com o gosto de cada um, de qualquer forma, acredito que toda ação arriscada deve ser evitada num primeiro momento, creio que fora puxar o cabelo, dar uns apertos ou uns arranhõezinhos nas costas, o resto deve vir depois de uma certa intimidade.

A conversa

Tem homem que tem mania de falar feito neném, tipo.. "Oww faix ixo cumigu naum.." fala xério... ops.. sério, não há nada mais idiota do que isso. Não fale muito antes de começar a exercer o seu direito de usar o pênis, tente falar coisas pra excitá-la, eu gosto muito de usar a máxima "Olha só como é que eu tô" colocando a mão dela sobre o meu membro ereto, praquelas que gosta de rir você pode até usar uma brincadeira, como.. "Cuidado que tá quente" quando ela for pegar no bicho.
Agora.. na hora em que está ocorrendo o delito.. ai vai de cada um.. eu não sou muito fã de ficar narrando o ato sexual não e nem gosto daquelas que ficam falando muita sacanagem... um "me come", "vai gostoso", "olha como eu tô molhadinha", isso é legal de ouvir.. tem mulher que gosta de ouvir.. "Goza no meu pau cachorra", "Imagina meu pau entrando em você".. E quando ela não quiser transar no começo, você pode apelar um pouquinho dizendo que só queria dormir com o gostinho dela na sua boca, obviamente quando se tem intimidade, fora isso seria um tanto quanto vulgar. Use a imaginação, mas lembre-se sempre de uma coisa... ficção científica só é bom no cinema.
Eu adoro conversar com minha parceira, depois do sexo, claro. Já virei madrugadas conversando e rindo, contando piada e olhando ela sorrir, isso quando você tem carinho pela garota é bom pra cacete, mas quando você só queria transar, a vontade que tem é de chamar um táxi para ela sair logo da sua frente. Como dito momentos atrás você pode se mostrar um cara sensível, culto, inteligente, sagaz, tudo em uma certa dosagem. Eu tento ser um cara sincero, obviamente existem coisas que não devem ser ditas, até por que ela mesma não quer saber. Eu não costumo trair minhas namoradas, mas isso não significa que eu nunca traí ou que nunca trairei, o homem é um ser difícil, dizem que quando o sangue desce pra cabeça de baixo, falta sangue na de cima e isso dificulta o raciocínio e eu concordo plenamente. Fale-me a verdade.. você conhece algum homem, jovem, que nunca traiu uma namorada? Eu não conheço e vou além, todos os meus amigos não só já traíram uma namorada como ainda traem as atuais (lembrem-me de nunca divulgar o blog para eles, ou para elas). Portanto, se forem indagados sobre uma eventual traição anterior, assumam uma, somente uma, se for algo que tenha uma certa motivação (se é que existe motivação pra isso, além da nossa safadeza) conte, se não tiver, invente uma e NUNCA se esqueça da história que você contou. Homem é um bicho complicado, mas tem umas que realmente merecem.

Uma bela vez... Namorava uma garota, eu era completamente louco por ela, não só porque ela era linda e gostosa, e acreditem em mim quando digo que o apelido de "Sheila Carvalho" que ela tinha não era à toa, mas também pelo fato de nossa forma de pensar ser igual, gostávamos das mesmas coisas e o sexo era perfeito. Enfim, sinto saudades daqueles momentos até hoje, vivi por muito tempo sem nem olhar pra qualquer garota ao lado, eu tinha a melhor de todas. Para todo canto que nós íamos tinham milhares de marmanjos olhando, e eu adorava dar uns amassos nela na frente de todos, era minha forma de dizer: "Ela é minha, otário!!". Mas o namoro desandou, estávamos todos os dias juntos, dormia muito na casa dela e éramos muito jovens, isso tudo começou a desgastar a relação. Acabamos muitas vezes, mas renovávamos logo depois, às vezes no mesmo dia. Durante uma viagem de congresso, uma viagem que sempre tinha uma baderna enorme nos hotéis, do tipo de baixar polícia no hotel e inclusive aparecer no noticiário local, e corrida de gente nua pelos corredores. Os ônibus sempre vazios indo para o centro de convenções pela manhã, tínhamos que descansar, afinal, ser um estudante nos dias de hoje cansa, cansa pra caralho. Mas, nessa dita viagem, tivemos uma briga feia e eu tava muito puto com ela. Mais puto ainda fiquei eu ao saber que ela iria pra um show, o qual ela sabia que eu não iria, ela até pediu para nossas amigas me ligarem, disseram que ela queria ir e até se propuseram pagar a minha entrada, mas a decisão já estava tomada e eu queria ver se ela realmente iria, paguei pra ver, mas perdi a aposta, ela foi.. Não sei se atraído pela putaria daquele congresso (e que saudade daqueles congressos) ou por uma certa coleguinha que me assediava desde a faculdade, era outra que todos olhavam, comentavam ao pé do ouvido que tinham visto ela de biquini num dos churrascos da turma e que ela era muito gostosa, eu não vi, até por que não sou de ficar olhando pra mulher do lado da minha namorada, né pra pagar de santo não, mas é pra se ter o mínimo de respeito, convenhamos. Pela sorte do destino, ficaram sabendo que eu não fui ao show e me informaram que o pessoal que não foi estaria no quarto dessa fulana e ela também estava lá. Fui naquele quarto já sabendo o que iria fazer, já estava todo o plano na minha cabeça e eu só iria ficar dependendo da colaboração da garota. Cheguei no quarto e ela estava deitada na cama junto com algumas outras meninas, os garotos estavam todos sentados no chão, uma forma meio respeitosa e uma atitude admirável, mas eu... eu não quero ser exemplo pra ninguém, deitei ao lado dela e comecei a conversar com a turma. Eu sei o que você deve estar pensando, nós combinamos de não olhar para outras garotas ao lado da nossa namorada, apesar de ela não estar do lado, não é uma coisa que eu goste de fazer, mas apenas o calor do momento é capaz de compreender o motivo dos nossos atos, eu tava muito puto amigo, jamais deixaria uma namorada num hotel pra ir pra uma merda de um showzinho e na minha cabeça, naquela idade, aquilo não iria sair barato. Quando todos estavam entretidos na conversa, falei baixinho pra minha colega ao lado para esperar um pouco e ir ao meu quarto, que eu estaria lá sozinho esperando ela e a porta estaria aberta. Deitei na cama, fiz aquela pose de "pode chupar", deitado de barriga pra cima com o braço por baixo do travesseiro, sob a cabeça, liguei a tv e esperei ela chegar, esperei, esperei, esperei mais um pouquinho e adormeci... Acho que tinha se passado meia hora quando me acordei e minha raiva era maior ainda, lavei o rosto e passei na frente do quarto dela, onde os homens bebiam do lado de fora sentados no meio do corredor, olhei pra dentro do quarto, ela olhou pra mim e pela minha cara, ela sabia que eu não estava muito feliz. Passei um tempinho lá com os caras e voltei ao quarto pra ver se ela iria dessa vez, deitei na cama, fiz a velha posição, até que ela chegou. Pela abordagem pregressa da garota eu tava achando que iria ser muito fácil, iria fechar a porta, beijar e levar pra cama, mas não foi nada disso que aconteceu, quer dizer.. não foi, em partes.. Quando me dirigi à porta ela disse pra não fechar, que algumas pessoas tinham a visto entrar e não pegaria bem, comecei a tremer. Foi a primeira vez que trai uma namorada e o pior, era uma colega da faculdade também, elas se conheciam, apesar de não se falarem, mulher saca essas coisas e a minha já tinha sacado qual era a da outra, e pior ainda, algumas pessoas viram. A única coisa que poderia me complicar ainda mais, seria se as duas fossem parentes, todos os outros ingredientes pra uma traição mal sucedida estavam ali, foda-se, eu iria acabar o namoro de qualquer forma. Mas a pior parte não tinha chegado, a garota começou a falar que não iria ficar comigo por causa da minha namorada, isso eu realmente não esperava, ela olhava muito pra mim na faculdade e já tinha feito coisas muito mais invasivas que eu não vou contar aqui, sabe como é, né? Se alguém achar isso aqui na internet, não vou ter como negar. O fato é que, aquilo só podia indicar uma coisa, a garota queria namorar, não que ela não fosse namorável, mas a última coisa que eu queria era pular de um relacionamento para outro, queria ficar solteiro mesmo e aterrorizar a faculdade, conversa vai, conversa vem e começou a me dar uma tremedeira de principiante, não toquei no assunto de namorar com ela, mas disse que tinha a intenção de acabar o namoro e iria acabar o quanto antes possível, logo depois nos beijamos, como a porta estava aberta, nessas horas sempre aparecem pessoas pra dar o flagrante delito, sorte minha que eram meus camaradas. No outro dia acabei o namoro logo cedo depois de uma briga no meio do corredor do hotel.
Olhando hoje para trás, não me orgulho muito da minha atitude naquele dia, o que não quer dizer que eu me arrependa, acho até merecido, mas eu poderia ter feito de uma forma mais honrosa, em memória póstuma aos bons momentos vividos ao lado dela, mas, o que não tem remédio, remediado está, fiz, não nego e faço questão de contar a qualquer garota que eu esteja ficando quando me perguntam se já traí, obviamente não foi a única traição, mas como eu disse, existem coisas que elas não precisam saber e elas realmente não querem.

4 comentários:

Uma mulher disse...

Adorei o post, sempre me identifico com várias coisas, ou situações. Nunca levei palmada nenhuma, e nunca achei excitante, mas quanto aos puxões de cabelo e a simulação de estupro eu acho super excitente, vc ficar ali totalmente imovél.. ai ai ( suspiros)... E concordo com vc quando vc diz que mulher gosta de virilidade, trocando em miúdes, em ser pegada de jeito!!! E morri de rir qnd li a seguinte frase:"Oww faix ixo cumigu naum..", fiquei pensando cá com os meus botões, se realmente existe alguém q fala assim na hora do ato sexual, eu brocharia na hora, aliás mais brochante que isso só aquela cueca ridícula de elefantinho!!! E quanto a sua história( ou seria estória?! rs*), acho que faltou Co-mu-ni-ca- ción! É claro que eu ñ deixaria o meu namoradon num quarto de hotel pra ir a um show sem ele, JAMAIS! Na verdade eu ia prefirir ficar no quarto de hotel com ele rsrsrsrs!!!! Mas daí trair a namorada com uma menina próxima não é legal, aliás não seria legal em qualquer circunstância! Mas acontece, acontece, sem maiores detalhes haha!! Boa viagem pra vc e por coincidência estarei indo pra Brasília hoje, odeio arrumar mala, mas já está tudo pronto!!! Nem sei qnd eu volto... haha Por fim: " O que há num nome?! Aquilo que chamamos rosa com qualquer outro nome seria igualmente doce."- Shakespeare. Mas, meus amigos me chamam de Dí. Saudades da cidade Maravilhosa :) Enjoy it!!

Beijos boa semana

Lily disse...

Eita! Já tem mtos cafas aqui no Rio! Teremos mais um nesse feriado, né??!?! rsrsrs

Brincadeira!
Bom... eu acho q uma dose certa de "selvageria" é bem legal! É como vc falou: a gente gosta msm de ver a virilidade do homem nessas horas! A gente gosta de se sentir "dominada" mesmo! Mais fraca e talz...
Claro q tem horas q a coisa muda de figura e a gente tá a fim de bancar a deusa da luxúria, né? o q não impede q o cara continue sendo viril... só q no caso, qm comanda a coisa é a mulher!

enfim... eu tb naum curto coisas extremamente sádicas! mas um tapinha, um puxão de cabelo e umas algemas de vez em qndo, acho q caem suuuuper bem! hehehehe

bjkssss
e aproveite o Rio!

andre disse...

Ae cara parabens ae, li com o maior interesse sobre isso tudo, continua com esses posts ai que vc ganhou um fan :)

Neymar11 disse...

Caraaaaca, eu era um cafageste e num sabia! kkkkkkkk