quinta-feira, 11 de outubro de 2007

Chamando para o motel.

Pra quem não mora só, você terá algumas opções, obviamente não tão confortáveis para quem tem o seu “apê” livre... a mais comum seria levá-la para um motel, trabalho árduo, mas não impossível, irá depender muito mais dos valores dela do que da sua competência. "Queria ir pra um lugar mais calmo", "queria ficar sozinho com você", poutz... não tem imaginação? Isso pode até funcionar, mas não vai ganhar pontos extras por isso. O meu conselho é falar "abertamente", mas de uma forma não tão direta para ela não se sentir muito “fácil”, dizer que está querendo ir pra algum lugar, mas não sabe se ela vai querer e quando ela perguntar pra onde, você diz que quando chegar na frente vocês decidem se vão ficar ou não, ela já irá ter uma noção do que você pretende, caso ela concorde, será constrangedor parar em frente ao motel, com carros passando a sua volta e perguntar.. "e aí? topas??", ela, poderá concordar, mas novamente pontos de bônus não serão creditados em seu "score", se ela reclamar, você deverá dizer que só quer ficar junto dela e não é obrigado a acontecer nada, terá de se esforçar pra que ela acredite que você está profundamente arrependido, pedir desculpas é obrigatório. A negativa é realmente embaraçador e capaz de anular todos os seus pontos e um possível segundo encontro, é como levar um gol aos 47 do segundo tempo numa partida final de placar empatado, portanto, não arrisque tanto, só chame se você tiver quase certo de uma resposta afirmativa, quando já aconteceu alguma coisa mais "profunda" entre vocês ou caso você já tenha uma certa intimidade com a sujeita. Trocando em miúdos, falar que quer levá-la em algum lugar, mas não sabe se ela vai querer, é simplesmente outra isca, o que pretendemos é fazer com que ela demonstre alguma reação, é apenas um caminho para se iniciar um diálogo que o destino final deste seja uma passagem de ida ao motel, devemos salientar que devemos decidir se vamos ou não para o mesmo após o início do diálogo, deixar pra decidir realmente em frente ao estabelecimento é constrangedor e impróprio.

Outro lugar para quem não dispõe de um lugar próprio ausente de pessoas que impediriam a consumação do fato, seria ela morar só, muito complicado também seria ela convidar você para ir ao seu lar, mas nada é impossível. Seu poder de sedução e persuasão deverá aparecer. A persuasão não se faz com insistência, deverá ser uma persuasão despercebida, ou então, apenas falar como você gostaria de ficar só mais um pouquinho do lado dela, que a noite foi maravilhosa, mulheres gostam de ser enaltecidas, a psicologia explica que muitas vezes as pessoas gostam de você proporcionalmente ao modo pelo qual você as vêem, logo... elogie, sempre (mas não em excesso)... O problema é que não existe uma forma muito padrão para um comportamento que nos leve à um resultado positivo, mesmo com um potencial sedutor, vai depender mais dela do que de você.

Outra forma a qual o combatente, que não mora sozinho, teria de entrar em campo de batalha, seria se arriscar em local público e não é muito incomum nos depararmos com essa situação em local aberto. Lembre-se que isso consiste em infração da lei.

Eu, particularmente, mesmo antes de morar sozinho, sempre tive uma disponibilidade gigantesca de ficar só em casa, meu pai tem casa no interior e na praia, então, nos fins de semana, quando ele não ia visitar sua família no interior, ele estava na praia com o resto da família. Mas obviamente, existiam momentos em que eu não tinha esse presente, alguns fins de semana em que decidiam ficar em casa ou principalmente no meio da semana. Algumas vezes reunia o pessoal ou chamava a vítima para a casa da praia, mas quando não dava, tinha que me virar por aqui mesmo. Meu grande problema é que eu, simplesmente detesto motel, não gosto muito de ir para um lugar pra transar, colocar a roupa e ir embora, prefiro que as coisas aconteçam sem qualquer obrigação, onde o ritmo seja ditado apenas pela vontade e com um gostinho de surpresa. Mas uma bela vez.... não teve jeito, tinha que ir pra um motel, ainda não tinha transado com aquela delícia, e ela era muito delícia meu amigo, não que eu só pegue delícia, tenho um coração bom e aberto às causas sociais ou de caridade, mas aquela era de salivar. Pois bem, comecei com o famoso papinho de "não saber se ela iria aceitar", notei que ela ficou calada, meio com vergonha, mas não negou... aquilo era um bom sinal. Passamos em frente do primeiro motel, diminui a velocidade do carro e fiz questão de mostra que estava olhando para o motel na intenção de entrar, notei naquele momento que ela olhou para a entrada do motel e não disse nada, mas passei direto. Naquele momento ela já tinha a certeza do que eu queria e eu tinha a mais absoluta certeza que ela tinha as mesmas intenções, até por que a gente já tinha passado além dos simples beijinhos do início de relação, mas para não restar dúvidas, preferi não arriscar muito e tirar o medo da consciência, perguntei: "Eu conheço um melhor ali na frente, tem algum problema pra você?", é.. eu sei que para ela dizer que não, deve ter ficado um pouco com vergonha, mas... fomos!.
Para falar a verdade, eu realmente não conhecia esse motel, nem qualquer outro, nunca tinha ido antes para um motel, mas tudo estava indo bem até aquele momento. Chegamos, começamos as preliminares lá na salinha de baixo e depois fomos lá para a parte de cima, onde estava a cama, não queria saber da boatezinha, nem do sofá ou da cadeira erótica, eu estava ansioso. Após consumar o fato (tomando as devidas precauções para evitar a consumação do feto), o telefone tocou, atendi, era a recepcionista perguntando se eu gostaria de receber como cortesia o "chá da tarde". "- Não, obrigado, odeio chá." respondi. Espantei-me quando minha companheira começou a rir e disse que sempre teve vontade de dizer aquilo, só ai então percebi que o chá da tarde não se tratava de um chazinho e sim de um lanche oferecido pelo estabelecimento, mesmo assim não estaria interessado, tinha ido ali para comer outra coisa e certamente, iria querer repetir o prato.

2 comentários:

Lily disse...

humm... motéis!
eu estava justamente pensando em abordar esse assunto em algum dos meus próximos posts...

vamos ver, vamos ver!

olha só:
primeira vez que visito seu blog! achei mto instrutivo! acredito q o público voltado seja o masculino, mas eu a-do-ro ler esses manuais de cafajestes (talvez para melhor entendê-los)...
pretendo aparecer mais vezes...

meu blog tb fala bastante sobre relacionamento/sexo, mas, logicamente, na ótica feminina e de acordo com as coisas que vão acontecendo na minha vida e na da minha amiga que ajuda a escrever por lá!
se quiser aparecer, fique à vontade!

bjksss

Bia disse...

Hahahaha, tô rindo horrores aqui!

Mas quanto ao convite por motel..
Bem, isso é algo complicado, dependendo do momento, da situação, da pessoa...

Acho que o homem deve ser sensível o bastante pra saber se deve ou não e como deve fazer esse convite.

A vez que o mesmo foi feito pra mim, foi traumatizante.
O cara me chamou na cara de pau e, apesar de morrer de tesão por aquele filho da puta, ele não merecia tamanho prêmio hehehehhe.

Mas você se saiu bem!
Bjux!